Jens Stoltenberg garante que o apoio da NATO à Ucrânia vai “ajudar a salvar vidas e a repelir os invasores russos”, criando ainda “uma ponte” para que esse país possa aderir à Aliança Atlântica.