Os alvos foram fornecedores de bens e serviços, ligados sobretudo ao setor da moda. Empresas que terão alegadamente ficcionado despesas em conluio com Manuel Serrão.